24 de novembro de 2013


EVOLUÇÃO
Todas as noites o sono nos atira da beira de um cais
e ficamos repousando no fundo do mar.
O mar onde tudo recomeça...
Onde tudo se refaz...
Até que, um dia, nós criaremos asas.
E andaremos no ar como se anda em terra.

 
Mário Quintana, 'Esconderijos do Tempo'