23 de fevereiro de 2015



"Sou como o besouro. Abro as asas, as de fora, só para perder resguardo. Porque lá dentro, bem ocultas, estão as outras asas, as voáveis, essas que me levam para além de mim."


( Mia Couto - Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra )