28 de novembro de 2014


A Quem possa interessar

Meu amor anda maltratado.
Surrado,
falido,
falado.
De rasuras tantas,
que de gasto e farto
já nem se levanta
e mal se apruma.
De alegria já nenhuma,
com sulcos profundos
e definitivos;
com medos cativos
e sublinhados.
Mas é preciso não subestimá-lo
pois, quando quase murcho e moribundo,
ele é capaz de reerguer o afeto
e sob o beijo do amante predileto
reinventar o mundo.

 
[Flora Figueiredo]