10 de dezembro de 2012


A solidão não o entristecia.
Entristecia-o que as outras gaivotas se tivessem recusado a acreditar na gloria do vôo que as esperava.
Recusaram-se a abrir os olhos e ver.
Aprendera a voar e não lamentava o preço que pagara por isso. Fernão
Gaivota descobriu que o tédio, o medo e a ira são as razões por que a vida de uma gaivota é tão curta, e, sem isso a perturbar-lhe o pensamento, viveu de fato uma vida longa e feliz.

 
Richard Bach