12 de dezembro de 2014

Volta, então, voa para casa,
Com as plumas abertas de tuas asas,
Abandona agora teu cárcere.

Troca teu poço estagnado
Pela torrente da Água da Vida.
Sai do átrio para o lugar de honra da alma.
Segue em frente, que também estamos indo
Do mundo do exílio para o mundo da união.

Rumi