2 de dezembro de 2014

 
Por isso me rio
De mim para mim.
Rio, rio, rio!
E digo-lhes: – Ria,
Rosa, noite e dia!
No calor, no frio,
Ria, ria! Ria,
Como lhe aconselha
Essa doce velha
Cheirando a alecrim,
A alegre Alegria!

 
–– extraído de “Ria, Rosa, Ria”, poema de 1960, de
Manuel Bandeira, dedicado a João Guimarães Rosa.