22 de novembro de 2013


Transeuntes eternos por nós mesmos, não há paisagem senão o que somos. Nada possuímos, porque nem a nós possuímos. Nada temos, porque nada somos. Que mãos estenderei para o universo? O universo não é meu: sou eu.

 
Fernando Pessoa