31 de julho de 2013

 
" Quando olhaste bem nos olhos meus, e o teu olhar era de adeus, juro que não acreditei, eu te estranhei. Me debrucei sobre teu corpo e duvidei, e me arrastei e te arranhei. E me agarrei nos teus cabelos, no teu peito, teu pijama, nos teus pés ao pé da cama. Sem carinho, sem coberta, no tapete atrás da porta, reclamei baixinho. Dei pra maldizer o nosso lar, pra sujar teu nome, te humilhar, e me vingar a qualquer preço, te adorando pelo avesso, pra mostrar que ainda sou tua. "
 
 
- Chico Buarque