18 de março de 2013


Quem gosta quer estar perto, quem adora sabe que amor é verbo e não substantivo, é uma aventura diária carnal e emocional, não uma moldura bonita e pertinente a enfeitar as paredes da sua vida.

Amor é manco de gramática, sendo quase tão certo quanto matemática, entretanto não aceitando resultados inexatos,
com vírgula ou aposto. Todo pormenor a dividir duas pessoas deve levar nas costas qualquer nome. Amizade, capricho, tico-tico-no-fubá, quiproquó, pirraça, o que for. Menos amor.

A razão de amar é simples. Um e um são dois. Eu te amo + eu te quero = dou um jeito de ficar contigo. Dou jeito de andar do seu lado, de dividir tempo, cheiro, edredom, banheiro e melancia.

A razão dos amantes não calcula-se no papel, na ponta do lápis. Sim no viver, sim no sentir. O amor existe no calor da iminência, do arredor, do tato e do contato. A frieza do resto, embora lembre um pouco amor, na real é qualquer bobagem."



Gabito Nunes