13 de março de 2013

 
Se eu fosse apenas uma rosa, com que prazer me desfolhava, já que a vida é tão dolorosa e não te sei dizer mais nada! Se eu fosse apenas água ou vento, com que prazer me desfaria, como em teu próprio pensamento vais desfazendo a minha vida! Perdoa-me causar-te a mágoa desta humana, amarga demora! […] — Se eu fosse apenas uma rosa, 



Cecília Meireles