24 de fevereiro de 2013


Que estranha escolha é essa que faz a gente alimentar os abismos quando mais precisa valorizar as próprias asas.

 

 Ana Jácomo