3 de novembro de 2012

Divino!


"Vinte anos de teatro e alucinação. Até que um dia vendeu tudo e regressou a seu rio de infância e às árvores de sua aldeia natal.

Foi vencido, o artista, pelo cansaço e pelo horror de ser tantos reis assassinados e tantos amantes que agonizam. Finalmente liberto das ilusões mitológicas e vozes latinas de seus textos, era preciso agora ser alguém, antes ou depois de morrer, não se sabe. Postou-se
diante de Deus e disse: “eu, que tantos homens fui em vão, quero ser alguém, quero ser eu!


E a voz solene de Deus lhe respondeu: “nem eu mesmo sou

eu. Sonhei um mundo como tu, Shakespeare, sonhaste em tua obra. E entre as formas de meu sonho estás tu, que como eu, és muitos... E ninguém!"


 
Jorge Luis Borges