25 de novembro de 2011


Claro, poderíamos fazer tudo por amor. Mas… ah, o amor! Melhor não sobrecarregá-lo, né? Melhor deixá-lo florescer ao seu modo. Onde e quando menos se espera. Frágil e imortal.


— Humberto Gessinger