15 de agosto de 2014

estou
como se não houvesse mais para dizer
que uma palavra.
uma interminável palavra,
no interminável silêncio.

 
António Ramos Rosa in
Poemas Nus (1953-1958)
viagem através duma nebulosa