30 de agosto de 2014

… certas mulheres usam o silêncio como quem veste de negro. os homens aproximam-se daquele silêncio, a medo, num lento cerco, da mesma forma que alguém se aproxima de um abismo. alguns aproximam-se demasiado e caem, nunca mais se sabe deles. o silêncio das almas simples é sempre mais elegante do que a sua loquacidade. os homens olham para as mulheres caladas e ficam a imaginar o que se esconde por detrás daquele silêncio. imaginar, como se sabe, é um exercício perigoso. é muito fácil acreditar no que imaginamos. é muito difícil deixar de acreditar.
 

faiza hayat
Lisboa 1975
in "na pele dos outros".