9 de março de 2014


Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã...

 
 
“Amor é bicho instruído”, de Carlos Drummond de Andrade (1902–1987).

Imagem: Drummond em casa, em 1982, quando completava 80 anos, fotografado por Rogério Reis.