26 de fevereiro de 2014



"Mora em nós um outro que não se esquece da nossa verdade... Alguns pensam que psicanálise e poesia são coisas de loucos. Tem até ditado: De poeta e de louco todo mundo tem um pouco. Os sapos e rãs, ao ouvirem as canções do príncipe poeta, só poderiam ter dito: É poeta! É louco! E trataram de curá-lo, educando-o para a realidade. Para eles ser normal é coaxar como todos coaxam. Mas a alma, em meio à ruidosa monotonia da vida, continua a ouvir uma voz que vem nos intervalos. Continua a chorar ao ouvir uma melodia que não havia. Continua a ouvir a fala de um estranho que mora em nós, e que nos visita nos sonhos. Continua a ser queimada pelas brasas da saudade de um lar esquecido, do qual estamos exilados. É bem possível que os sapos e rãs vivam mais tranquilos. Para eles todas as questões já estão resolvidas. Mas existe uma felicidade que só mora na beleza. E esta a gente só encontra na melodia que soa, esquecida e reprimida, no fundo da alma."

 

- Rubem Alves, em "Palavras para desatar nós"