25 de fevereiro de 2014

 
"Cresci brincando no chão, entre formigas.
De uma infância livre e sem comparamentos.
Eu tinha mais comunhão com as coisas do que comparação.
Porque se a gente fala a partir de ser criança, a gente faz comunhão: de um orvalho e sua aranha, de uma tarde e suas garças, de um pássaro e sua árvore.
Então eu trago das minhas raízes crianceiras a visão comungante e oblíqua das coisas.
(...)
Era o menino e os bichinhos.
Era o menino e o sol.
Era o menino e o rio.
Era o menino e as árvores."



Manoel  de Barros