22 de outubro de 2011



Não consigo prender
ninguém no meu abraço.
Há quem salte. Há quem voe.
Eu acho tão bom.
Sinal de que meu abraço é tudo,
menos prisão.



Pedro Antônio de Oliveira