25 de julho de 2011

Remissão
Naquele dia fazia um azul tão límpido, meu Deus,
que eu me sentia perdoado pra sempre não sei de quê.


                                        [Mario Quintana]