27 de maio de 2011



Se às vezes digo que as flores sorriem
E se eu disser que os rios cantam,
Não é porque eu julgue que há sorrisos nas flores
E cantos no correr dos rios ...
É porque assim faço mais sentir aos homens falsos
A existência verdadeiramente real das flores e dos rios.

(...)

Porque só sou essa coisa séria, um intérprete da Natureza,
Porque há homens que não percebem a sua linguagem,
Por ela não ser linguagem nenhuma.


 

Alberto Caeiro